Relacionamentos interpessoais trazem sempre um desafio, visto que cada ser humano é multifatorial, apresentando sua subjetividade e sua forma própria de se expressar e de se relacionar com o outro de acordo com seus modelos e padrões de conduta internalizados. Em alguns casos, infelizmente, estas relações podem não ser tão gratificantes e salutares como se espera, se delineando em relacionamentos abusivos, onde a falta do diálogo, empatia e respeito ao outro prevalecem. De maneira geral, passamos a maior parte do tempo no ambiente de trabalho e nesta esfera psicossocial podem se estabelecer relações pautadas na competitividade, onde muitas vezes o outro é percebido como uma ameaça, podendo dar espaço à prática do assédio moral, sendo fonte de estresse negativo e transformando, desta forma o local de trabalho em um ambiente sufocante, desgastante, conflituoso, até desumanizante e sendo propicio para o desenvolvimento de transtornos mentais.

Crédito arte: Pixabay

O assédio moral se caracteriza por uma relação de dominação, sendo configurado por um ambiente hostil e ameaçador à integridade física, psíquica e emocional da pessoa que é alvo do assédio. Nesta dinâmica relacional adversa, podem ocorrer sabotagens, ofensas, menosprezo, humilhações, exclusão desta pessoa das atividades relativas à instituição, isolamento dos colegas de trabalho, desqualificação e/ou menosprezo das atividades que a pessoa exerce, pressão psicológica, manipulação de situações, injúrias, perseguições, comparações, delegação de tarefas impossíveis de serem feitas com um prazo de tempo de execução improvável de serem realizados.

O assédio moral pode levar ao adoecimento mental.

Conheça aqui a Sindrome de Burnout: https://sorayapsicologa.com/sindrome-de-burnout-exaustao-fisica-e-emocional-cronica/

Muitas vezes o assédio moral é explícito e portanto fácil de ser identificado, para que uma medida cabível seja tomada. Contudo, este assédio também pode ser velado, dissimulado, confundindo a pessoa agredida e desestabilizando sua autoestima, auto-eficácia e comprometendo sua produtividade. Neste cenário de terror psicológico, a pessoa fica propensa a desequilíbrios psicofísicos, emocionais e comportamentais que conseqüentemente irá comprometer sua saúde mental em algum nível. Dentre os transtornos psicológicos mais comuns associados ao assédio moral no ambiente de trabalho, estão a depressão, os transtornos ansiosos, a síndrome de burnout, o estresse negativo e as doenças psicossomáticas, como a gastrite nervosa, alergias, fibromialgia, doenças de pele, dentre outras. O consumo de álcool e outras drogas também estão implicados em um contexto de trabalho gerador de estresse. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão será a maior causa de afastamento de funcionários do ambiente laboral no mundo até 2020.

Existem 4 modalidades de assédio moral: institucional, vertical descendente, horizontal e vertical ascendente. O mais comum é o vertical descendente, praticado pelo chefe contra um trabalhador subalterno em hierarquia.

Soraya Aragão

Soraya Aragão

Psicóloga, Psicotraumatologista, Expert em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde.

error: Content is protected !!
× Agendamento