O sofrimento gerado por impacto psicológico como traumas, períodos de estresse e luto mal elaborado através de vivências de separação, relações de conflito, perdas, assédio moral, demissão, acidente, negligência, desamparo e morte de um ente querido. Todos estes são eliciadores da Depressão Reativa, transtorno de humor que se desenvolve quando ocorre falha nos recursos psicoadaptativos da pessoa por evento com carga geradora de estresse. Está muito associada com o desamparo aprendido, em que a pessoa não tem como manejar os fatores externos adversos, “se deixando levar” pela desesperança daquele evento que não se tem controle algum diante das circunstâncias e que seus esforços são insuficientes para modificá-las, sendo inundado por um sentimento de fracasso. Se não cuidada, a Depressão Reativa pode se desenvolver em outros quadros clínicos e o mais comum é a Depressão Maior.

Por outro lado, é inerente ao ser humano reagir a transitoriedade da vida, bem como às suas “leis” de impermanência, onde somos impotentes diante de algumas perdas, em que estas fogem do nosso controle, restando-nos apenas experimentar o gosto amargo da finitude daquilo que gostaríamos que permanecesse. Sendo assim, muitas vezes por não estarmos preparados para frustrações, para uma morte, separação ou traição conjugal, perdas e prejuízos de todos os tipos que podem acontecer em nossas vidas, pode ocorrer a falência dos recursos internos de resiliência. Como foi relatado anteriormente, os sintomas depressivos podem fazer parte de um quadro de luto e perdas advindas de situações mal elaboradas. Para o devido diagnóstico, os sintomas abaixo devem permanecer por mais de 1 mês, causar sofrimento significativo e comprometer a vida pessoal, social e lavorativa.

Principais sintomas:


– Insônia ou hipersonia;


– Humor deprimido;


– Anedonia (desmotivação, interesse e prazer diminuídos);


– Sentimentos de medo, culpa e desesperança;


– Baixa autoestima;


– Visão negativa do mundo e das circunstâncias;


– Inquietação;

É imprescindível deixar claro que sentir tristeza diante de perdas é saudável, visto que o indivíduo necessita de uma pausa para ressignificar as suas vivências, digeri-las e isto requer um certo distanciamento do mundo externo para uma reorganização interna. No entanto, a Depressão Reativa não é somente uma tristeza, mas sim uma experiência traumática que não foi elaborada devidamente, assumindo portanto, características psicopatológicas.

Tratamento:


Psicoterapia para ressignificaçao cognitiva e emocional dos traumas e lutos mal elaborados.

Crédito das imagens: Pixabay.

Autora
Soraya Rodrigues de Aragão
Psicóloga, Psicotraumatologista, Expert em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde. Autora em 4 livros publicados. Escritora em vários portais, jornais e revistas no Brasil e exterior.

Nosso Instagram

Marcar uma Consulta

error: Content is protected !!
× Agendamento